quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

AIESEC

Compartilho um artigo sobre a AIESEC postado no Blog Vida de Estagiário em uma entrevista com o nosso presidente 2008/2009 Conrado Kaczynski. Acho que é uma das melhores descrições sobre a AIESEC. Segue abaixo:

"A idéia surgiu por volta de 1948, logo após a II Guerra Mundial. Um grupo de jovens de 7 países se reuniram. A verdade é que eles não sabiam muito bem o que fazer, mas estavam certos de precisavam fazer alguma coisa pelo mundo. Olharam para fora e descobriram que os povos precisavam se conhecer melhor, entender suas culturas e desenvolver relações amigáveis entre si. Fundaram o que hoje é a maior organização de estudantes do planeta, a AIESEC.

De 60 anos para cá o mundo mudou diversas vezes, as pessoas mudaram diversas vezes, e, por conseqüência, a AIESEC mudou diversas vezes. A organização sempre teve o propósito de olhar para o mundo, descobrir as necessidades correntes e preparar líderes para atuar nessas necessidades.

Hoje são mais de 30.000 membros espalhados em mais de 100 países, trabalhando a partir de 1.000 escritórios nas maiores universidades do mundo. Cada um desses escritórios seleciona aqueles jovens com maior potencial de liderança, sensibilidade cultural e mais uma série de competências fundamentais para liderar pessoas e projetos. Esse potencial é desenvolvido ao longo da experiência na organização através de uma série de atividades que envolvem planejamento, metas, prazos, recursos, pessoas, avaliações e reflexões.

As duas ferramentas mais poderosas que a AIESEC utiliza como forma de desenvolvimento são os “cargos de liderança” e os “intercâmbios”.

Cargos de Liderança
Todo membro, depois de um certo tempo na organização, tem a oportunidade de coordenar uma equipe de no mínimo 3 pessoas. Os cargos de liderança vão desde posições de curto prazo (3 a 6 meses) que gerenciam processos seletivos de membros, eventos e projetos ou posições de maior responsabilidade e prazo (1 ano) responsáveis por áreas gerenciais como Marketing, Finanças, Recursos Humanos, Intercâmbios e Relações Corporativas ou até mesmo a Presidência do escritório.

Intercâmbios
Milhares de empresas em todo o mundo optam por ter membros da AIESEC nas suas equipes. Através dos intercâmbios, a AIESEC envia e recebe membros de escritórios de outros países para terem uma experiência profissional (de 6 meses a 1 ano) nas suas áreas de estudo/formação. A empresa ganha um ambiente dinâmico, internacional e inovador, e os membros da AIESEC ganham um entendimento cultural, experiência profissional e internacional.

Após todas essas experiências, os membros saem da organização. A AIESEC não quer que os membros fiquem; quer ver seus membros na rua, no mercado, aplicando essa experiência nas necessidades do ambiente externo. A missão da AIESEC é formar agentes de mudança capazes de criar um impacto positivo na sociedade.

Um agente de mudanças é uma pessoa com um entendimento cultural necessário para perceber o ambiente e as mudanças necessárias nele e possui uma série de competências que o permitem liderar pessoas para atingir resultados.

Como a AIESEC faz isso? Aqui estão alguns segredos.

  • O intercâmbio é uma das principais ferramentas para esse desenvolvimento de sensibilidade cultural; no momento em que uma pessoa está em outro país, adquire rapidamente uma capacidade de adaptação, visão de outras culturas e de sua própria e uma série freqüente de reflexões que levam ao autoconhecimento. Assim como países têm culturas diferentes, pessoas também as têm. Entender o que é uma cultura e saber respeitá-la é um dos primeiros passos para liderar pessoas e causar mudanças.
  • Todos os membros são voluntários. Não existem relações formais de poder e nenhum membro depende da organização para sobreviver. Ou seja, um coordenador não consegue “mandar” ou delegar uma atividade que um membro não queira realizar. Se a experiência de um membro não está oportunizando desenvolvimento, aprendizado e motivação, os membros saem da organização. Isso quer dizer que a única maneira que uma pessoa que está num Cargo de Liderança tem para atingir resultados através de pessoas é através de uma visão compartilhada, inspiração, motivação, desenvolvimento das pessoas e um direcionamento coerente. Isso é liderança pura, na prática, sem ferramentas de poder.
  • A AIESEC não desenvolve ninguém, simplesmente dá oportunidades. É o próprio membro que escolhe as experiências que quer ter e o caminho que vai seguir, sendo responsável pelo seu próprio aprendizado – uma competência crítica para o mundo.
  • É permitido errar. O erro estimula a reflexão – momento fundamental para o aprendizado. Essa cultura fomenta um ambiente onde membros podem arriscar mais, inovar sem medo e testar suas idéias, permitindo assim que se conheçam melhor.
  • O ambiente é divertido, as pessoas são felizes, desenvolvem relacionamentos pacíficos, se dedicam nos finais de semana e formam amizades fortes na organização. Levam para o resto da vida essa cultura e uma rede de relacionamentos ampla.

Se em 1948 o mundo precisava de relações de paz, em 2008 acreditamos que é preciso desenvolver agentes de mudança para isso, e é este tipo de experiência que estamos proporcionando para mais de 2.000 pessoas em todo o Brasil."

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

A última conferência como presidente

"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo" - Peter Drucker


Segunda-feira passada eu voltei da minha última conferência nacional como presidente da AIESEC em Ribeirão Preto. Foi uma conferência bem diferente das outras. Com um espírito de última conferência, poucos membros da minha diretoria estavam presentes, uma vez que a conferência era focada nos diretores que foram eleitos com objetivo de capacitá-los para o trabalho que farão no ano de 2009. Por causa disso também, alguns LCPs que eu tive mais contato não estavam presentes no pré-meeting (alguns nem na conferência como um todo), vindo participar apenas nos dias liberados para alumni.


Mas não era apenas isso que foi diferente. Pela primeira vez eu iria facilitar sessões nacionalmente. Tinha duas sessões para facilitar no pré-meeting de Talent Management (Gestão de Talentos). Foi bem desafiador considerando o fato de que eu nunca trabalhei formalmente nessa área de um escritório local. Apesar de estar nervoso eu gostei bastante de ser facilitador. Aprendi a me preparar para facilitar uma sessão, a importância do controle do tempo e das mensagens chaves que você precisa passar, além de estruturar o contéudo de forma a não ficar apenas falando e falando, mas buscando também a participação coletiva e a construção de conhecimento. Foi bem legal e tive bons feedbacks também. Por causa dessas sessões que iria facilitar cheguei na conferência um dia antes do pré-meeting e tive maior contato com o conference team, o time que é responsável por entregar não só o conteúdo da conferência, mas também a logística, alimentação etc.


Durante o pré-meeting fiquei bem dividido, tive que acompanhar algumas sessões com os presidentes que estavam saindo, especialmente as legislações (que são momentos nos quais se apresentam e discutem as propostas de alteração do regimento interno para a melhoria da AIESEC no Brasil como um todo e que vão ser votadas naquela conferência), mas também em algumas sessões de Talent Management (as duas que eu facilitei e também uma no dia anterior para poder sentir o clima do pessoal que eu iria facilitar uma sessão) e também algumas de Intercâmbio, já que fui eleito chair do time nacional de intercâmbios (NeXT). Além de mim, a Sara, minha diretora de projetos, estava presente nesses dias que citei porque estava facilitando sessões para o pessoal que vai trabalhar com projetos no ano que vem, e a Marina, que estava presente como coordenadora do 3º Desafio de Sustentabilidade em parceria da Artemísia, Banco Santander e AIESEC.


Além desses momentos até então únicos e cheios de aprendizado, tive a oportunidade de conhecer novas pessoas e conhecer mais algumas pessoas que já tinha contato. Desde o pessoal da diretoria nacional, membros que tive contato por causa das sessões que facilitei, novos presidentes de escritórios locais, candidatos a presidente da AIESEC no Brasil e até mesmo o chair da conferência (responsável por coordenar tanto os facilitadores quanto o comitê organizador, buscando entregar uma conferência que siga os príncipios que foram acordados antes entre todos os participantes). O chair da conferência foi o Elias Albino, que havia sido presidente da AIESEC no Brasil na gestão 2005/2006 e que após terminar sua gestão realizou um intercâmbio para trabalhar com Recursos Humanos na DHL em Miami, onde continua até hoje e que veio para o Brasil exclusivamente para ser chair da conferência.


Não bastasse tudo isso, essa conferência vai ser marcada para sempre não só na minha memória, mas na de todos os membros da AIESEC Ribeirão Preto que participaram da cerimônia do Philips Awards, que é um prêmio (ou melhor, três prêmios diferentes) que são entregues aos melhores escritórios locais nos temas de: crescimento de receitas sustentáveis, crescimento sustentável de intercâmbios e o principal prêmio que é o de excelência. Depois de vermos Vitória ganhar o prêmio de crescimento de finanças sustentáveis e a GV ganhar o prêmio de crescimento sustentável de intercâmbios, qual não foi a surpresa ao ver que, após dar vários highlights dos principais pontos de cada escritório, foram anunciados os finalistas: AIESEC em Ribeirão Preto, AIESEC Recife e AIESEC na Fundação Getúlio Vargas. Todos os membros de Ribeirão Preto iniciaram uma festa que não terminou nem mesmo com o anúncio do prêmio para a AIESEC Recife. Foi um grande feito termos chegado em uma final do Philips Awards, na final do prêmio mais importante e o que achavámos mais difícil. Enquanto comemorávamos, dois membros da diretoria nacional vieram falar comigo dar os parabéns para a AIESEC Ribeirão, falando que foi por muito pouco que não fomos os escolhidos. Mas nem precisavam falar isso, a noite foi uma grande festa de comemoração para todos os que estavam presentes, entre eles, eu, Marina e Guilherme, três dos membros fundadores. Valeu a pena perder a formatura da minha diretora de Talent Management (que aconteceu no mesmo dia da noite do prêmio e que fez com que a maior parte dos meus diretores e outros dois membros fundadores não estivessem presentes).


Esses últimos 10 dias valeram a pena (isso porque nem falei da festinha de confraternização que fomos, no sábado anterior à conferência, convidados pelo Claudio Neszlinger a qual foram convidados todos os membros da AIESEC que ele teve contato em suas diversas palestras pelo Brasil em eventos da AIESEC), foi muito bom ver a alegria nos olhos dos membros, dos alumni e ver que o trabalho desse ano foi útil para o escritório, fazendo com que a AIESEC Ribeirão Preto seguisse a sua trajetória de expansão de resultados e da própria rede, iniciada na primeira gestão. Obrigado a todos que participaram desse processo, vocês com certeza impactaram não só a minha vida, mas a de todos aqueles que se sentem parte integrante desse escritório.


E agora, o que virá pela frente?

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

1 mês sem computador e sem outras coisas também

Nos últimos dias experimentei algo que não experimentava há muito tempo... fiquei quase um mês sem meu computador. Não completamente sem computador, porque nos dias atuais quem consegue isso está literalmente desconectado do mundo, principalmente se considerar que você está pensando em se formar em administração ou já trabalha com isso.

Sim, tinha acesso ao computador, na faculdade, no trabalho e do Caio, que mora comigo e me emprestava o computador algumas noites quando não usava, e tinha meu pen drive que me salvou bastante (assim como o bendito email do gmail). Mas de repente ficar sem computador me mostrou como é difícil a vida de quem não possui um... trabalhos de faculdade, trabalho profissional (uau, ser LCP e ficar um mês sem computador foi um dos pontos marcantes da minha experiência na AIESEC, ou como realizar 18 entrevistas online sem computador, entre outros feitos).

Mas não foi só o computador que esteve ausente nos últimos dias. Estive também sem celular. Esse por sua vez, apesar de ter me deixado na mão por não ter mais um relógio e um despertador em qualquer lugar que eu fosse, me trouxe uma paz muito grande. É muito bom não receber ligações a qualquer momento ou lugar... Só em casa ou no trabalho. Interessante, mas ao contrário do computador, o celular parece que retira um pouco da qualidade de vida... apesar de ser muito dificil ficar sem para quem está trabalhando ou pensa em trabalhar de fato como um administrador.

Até meu blog ficou prejudicado... mas as vezes penso como que esse um mês alijado da tecnologia nos faz voltar a ter uma vida mais simples, ler mais livros, dormir um pouco mais, parar e pensar na vida... será que as reflexões de final de ano já começaram? O que será que me aguarda para o ano que vem?

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

International Congress 2008 - Eu fui! - Parte 2

Quase um mês depois do fim do evento, eu resolvo comentar sobre o assunto. Por que isso? Basicamente porque é muito difícil descrever toda a abrangência e o impacto dessa conferência para mim. Procurei em blogs de amigos que comentaram sobre o IC, parei para pensar, busquei novas fotos e ainda assim acho que não vou conseguir descrever tudo... mas não custa tentar.

Como já disse antes, em virtude dessa Conferência Internacional, o escritório local de Ribeirão Preto organizou um Study Tour no Rio de Janeiro para vários estrangeiros. Comentei sobre o qual interessante que foi estar em contato com a AIESEC Internacional e com AIESECers de outros países durante o pré-meeting, mas nada se compara a Conferência Internacional em si.

Por que?

Basicamente porque num mesmo local estão reuniadas as lideranças nacionais de 106países assim como vários presidentes de comitês locais e também representantes de empresas parceiras e alumni totalizando mais de 800 pessoas. Além de estar próximo e em contato com as pessoas que lideram a organização que você faz parte em todos os países que ela está presente, você ainda tem a chance de inteirar de tudo o que está acontecendo na organização, trocar uma idéia com os lideres nacionais de outros países, com os lideres internacionais, com os representantes de empresas etc. É muita oportunidade junta em um lugar só.
O principal tema desse congresso era a sustentabilidade, então aconteceram várias discussões nesse sentido, não só sobre sustentabilidade ambiental, mas também sobre sustentabilidade da organização, como podemos ser mais sustentáveis, o que é crescimento sustentável na AIESEC, como podemos ter um papel mais ativo na sociedade nesse tema e como nossas ações individuais impactam o mundo. Um exemplo interessante foi a discussão sobre a expansão da AIESEC para Israel, numa das discussões com maior presença que já vi, membros dos países muçulmanos argumentando que não reconhecem Israel como um Estado e membros da AIESEC na Alemanha argumentando os benefícios de uma possível expansão para Israel. Como sair de um impasse desse? Ainda não sabemos, mas a discussão já começou e esse é o primeiro passo que em geral nunca é dado nas negociações de política externa dos países, haja vista o número de guerras que insistem em continuar no mundo.

Por falar em guerra, ter a chance de conviver com pessoas que realmente viveram a guerra nos seus países é algo interessante. Estar presente e fazer amizade com pessoas de países como Afeganistão, Paquistão, Geórgia é uma experiência que eu gostaria que mais e mais pessoas tivessem a chance de ter. Percebi que esse é o impacto que temos quando trabalhamos em nossos escritórios locais e viabilizamos a vinda de pessoas de diferentes países para trabalhar no Brasil, trazendo sua cultura, seus hábitos para próximo de pessoas que talvez nunca teriam a chance de conhecer um país e fazendo com que essas pessoas se tornem cidadãos globais, atentos à realidade do mundo.
Além disso, também aconteceram festas é claro, todas as noites. Desde festas formais de premiação, até uma noite brasileira, passando por festas temáticas de cada região do mundo em que a AIESEC está presente (Ibero América, Africa, Ásia-Pacífico, Oriente Médio e Norte da Africa, Europa Central, Europa Ocidental e América do Norte). A cada festa, a chance de experimentar um pouco das bebidas e comidas tradicionais dos países que representavam esses países.

Pessoalmente falando, além da chance de encontrar pessoas que há muito tempo não reencontrava, como o Porto (ex presidente da AIESEC em Ribeirão Preto), o Marco Túlio (ex diretor de vendas de Ribeirão e atual diretor de vendas da Ibero America), a Barbara (ex coach de Ribeirão Preto e agora trabalha na diretoria da Europa Central e Caucáso) e pessoas que nunca tinha visto mas que se tornaram amigos(de países como Singapura, Malasia, Costa Rica, Moldova, Malta, Tunisia, Marrocos, Russia etc). Entender melhor a AIESEC, o trabalho da diretoria nacional e também a visão que a diretoria internacional tem da AIESEC e se identificar com ela, para levar e implantar no Comitê Local de Ribeirão Preto. Fazer contatos, networking, buscar oportunidades, divulgar o Brasil e Ribeirão Preto foram experiências ímpares, além do tradicional momento non-sense todas as noites com o Marco Túlio que era meu parceiro de quarto no hotel... 10 dias relembrando os velhos tempos enquanto ele era diretor de vendas no comite local e eu pentelhava ele até fazer ele sair do cargo hehehehe).

Enfim, não sei como foi, só sei que foi assim. =)

(Guatemala, Brasil e Bulgária)

(Hong Kong e Brasil)

(Porto escondido na sessão com Alumni)

(Festa Brasileira com cara Croata)

(Foto que deu defeito mas ficou muito boa com delegação brasileira)

(Eu, Barbara e Túlio em uma noite de festa)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Vou até o fim... e além

"Não vim até aqui
Pra desistir agora!
Entendo você
Se você quiser ir embora...
Não vai ser a primeira vez
Nas últimas 24 horas
Mas eu não vim até aqui
Pra desistir agora!

Minhas raízes estão no ar
Minha casa é qualquer lugar
Se depender de mim
Eu vou até o fim
Voando sem instrumentos
Ao sabor do vento
(...)
Cada célula
Todo fio de cabelo
Falando assim
Parece exagero
Mas se depender de mim
Eu vou até o fim (...)"
(Até o fim - EH)

sábado, 6 de setembro de 2008

International Congress 2008 - Eu fui! - Parte 1

Dpois de muitos e muitos dias sem dar a cara no meu blog (literalmente nem entrar nele eu conseguia), fico feliz de voltar a escrever e com uma notícia boa: sim, eu fui no IC 2008. Graças ao Santo Padroeiro das Listas de Espera (é, aquele mesmo que os vestibulandos rezam no começo de todos os anos) eu fui chamado para o congresso na quarta-feira dia 13 de agosto e tive pouco tempo para me preparar, já que na sexta dia 15 de agosto eu já estava viajando de madrugada para São Paulo para ajudar o pessoal do meu escritório a organizar um Study Tour para 85 gringos no Rio de Janeiro, antes de começar o congresso de fato.

O Study Tour foi fantástico, tive a chance de participar de dois, um antes e um depois do congresso, ambos para 85 gringos. Gostei mais do primeiro, talvez porque ainda não tinha visto tanto os gringos e também por estar mais descansado, já que o segundo foi depois de já estar há 13 dias no congresso e há 16 dias fora de casa... mas foi bom também, porque foi o que eu mais conheci o Rio de Janeiro, tendo a chance de ir no Pão de Açúcar (única atração que já conhecia no Rio), Cristo Redentor e Maracanã. Além disso, não podia faltar as praias de Copacabana e Ipanema. Ainda tivemos a chance de conhecer a famosa feira de São Cristóvão e por sorte, no post Study Tour, uma surpresa muito bonita no céu.
(Nem todos na praia de Copacabana)

(Todos juntos antes de entrarmos no Cristo Redentor (Pre Study Tour))

Nem todos juntos no vestiário do Maracanã (Post Study Tour)

(Gringos espalhados no Pão de Açúcar (Post Study Tour))

(O que nos reservava no céu (reparem em cima da nuvem à direita) )

O IC foi uma experiência única. Um mesmo lugar com mais de 600 pessoas de 105 países diferentes. Parecia a abertura das olímpiadas.

Primeiro foram três dias no premeeting em Itapecerica da Serra. Estávamos separados por regiões. Eu estava na IGN, com todos os países da América Latina, discutindo estratégias de crescimento na região, para aumentarmos o número de @XP, especialmente parcerias entre os países para que possamos aumentar internamente o número de intercâmbios. Festas a noite, com as delegações do Brasil e da Colômbia sendo as mais animadas e se fundindo numa só: Brasilômbia.

(Delegação da Brasilômbia, com um sueco no meio)


(Festa puxada no ritmo da Brasilômbia)
Para mim a melhor sessão foi no 3o e último dia do premeeting, quando todos os presidentes de comitês locais [LCPs] (de todas as regiões) se reuniram para ter uma sessão com Juan Cajiao, atual Presidente da AIESEC Internacional (2008/09). Além de ter nos mostrado qual era o nosso papel no IC, ainda possibilitou que conhecessemos mais sobre o potencial de cooperação entre LCPs e também teve um momento em que nos dividíamos em grupos de quatro pessoas para falar dos pontos fortes e fracos dos nossos escritórios e como poderíamos trocar idéias, ações, entre os escritórios, além de verificar o potencial de intercâmbio entre nossos escritórios.

Bem, mais tarde escrevo a continuação da saga do IC, os 10 dias de conferência.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Confusão

"Sólo quiero encontrar de nuevo lo que he perdido en este tiempo" (David Summers - Diciembre)

Eu nos últimos dias:




(Fonte: www.paranoidgirl.com/popup_confusion.html )


Vuelo herido y no sé adonde ir
con la rabia cansada de andar
me han pedido que olvide todo en fin...
nada particular...
Otra vida y volver a empezar
no te pido una patria fugaz
dignamente un abrazo enfin...
nada particular....
Canta y vuela libre
como canta la paloma....
Dame una isla
en el medio del mar
llamala libertad....
canta fuerte hermano!
Dime que el viento,
no, no la hundirà....
Que mi historia no traiga dolor
que mis manos trabajen la paz
que si muero me mates de amor...
nada particular...
(MB - Nada Particular)

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Coragem

Sobre um post que queria ter escrito nas últimas semanas, eu já fiz. Agora queria fazer um semelhante sobre as coisas boas, mas para poupar palavras, preferi utilizar imagens.

Estagiários FIPASE vão à Olímpia

Estagiários FIPASE vão à Olímpia

Ainda bem que eram em dobro... se não...
10 países estavam representados

Festa junina com clima internacional

Até altas horas...

Liga para mim, no celular...

Nosso coach do coração

Foka, eu e Gui... 3 fundadores, 3 caminhos

Eu, Be, Renata e Isma...

Medo

"Já tive medo de cobras, tenho medo do escuro, tenho medo de te perder..." - EH (De fé)

Medo de acordar,
Medo do escuro,
Medo de ficar,
Medo de continuar,
Medo de voltar.

Medo de viver,
Medo de não gostar,
Medo de gostar.
Medo do diferente,
Medo de arriscar,
Medo de fazer,
Medo de dizer,
Medo de pensar.

Medo da vida,
Medo da morte,
Medo da falta de sorte,
Medo de ficar,
Medo de perder,
Medo de terminar.

Medo de pecar,
Medo de se arrepender
Medo de sumir,
Medo de ser pego,
Medo de amar,
Medo de odiar,

Medo ...
Quem não sente mais medo?
Qual é o teu segredo?

"Coragem é a resistência do medo, domínio do medo, e não a ausência do medo" - Mark Twain

"A coragem conduz às estrelas e o medo à morte" - Sêneca

"Todos os homens têm medo. Quem não tem medo não é normal; isso nada tem a ver com coragem" - Jean Paul-Sartre

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Tudo conspira a favor?

"Neurotransmissores, mísseis na pressão
A vida em cada curva dispara o coração
Nada fácil cara, euforia e depressão,
muitas pedras no caminho e uma flor em cada mão"
(EH)

terça-feira, 17 de junho de 2008

Será que vai dar certo?

"Todas as coisas são difíceis antes de se tornarem fáceis" - John Norley

Hoje fiz a "inscrição" para o 60º Congresso Internacional da AIESEC, que pela primeira vez será realizado na América Latina e mais precisamente no Brasil. Mas por que "inscrição" ?

"Inscrição" porque nesse congresso terá a presença de 600 delegados de mais de 100 países, ou seja, mais ou menos 6 delegados por país. Considerando que a diretoria nacional do Brasil (que tem prioridade sobre os presidentes de escritórios locais) é formada hoje por 9 pessoas, já dá para perceber um pouco da dificuldade que vai ser conseguir essa vaga não? Imaginem agora com o interesse de mais 20 presidentes de escritórios locais. Algumas diretrizes já foram passadas pela diretoria nacional. A primeira delas é eles estão analisando quais membros da diretoria nacional efetivamente vão e que os presidentes de comitês locais entrarão numa lista de espera para as vagas que não forem ocupadas por outros países. Para entrar na lista de espera, além da inscrição formal no site, teríamos que responder um questionário em inglês com 5 perguntas. OK. Respondindo.

Agora começa a fase da incerteza. Posso ser o primeiro da lista de espera e não ter vagas sobrando. Posso ser o número n da lista de espera e chamarem apenas (n-1). Há muito tempo não sentia essa sensação de estar passando por um vestibular, com a diferença é que até mesmo o primeiro pode não ser aprovado, ou seja, muito mais arricado. Fora que a hipótese do (n-1) não é de se desprezar. Já prestei um concurso no qual fui muito bem, ficando em 51º na classificação final e, no final de 4 anos (prazo de duração do concurso), chamaram 50 pessoas. Espero que esse raio não caia duas vezes no mesmo lugar.

Mas por que você quer participar desse congresso? Apesar do alto custo dele (principalmente quando comparado com as conferências nacionais), terei a chance de aumentar consideravelmente minha rede de contatos, com pessoas de mais de 100 países presentes no evento, além de representantes de grandes empresas parceiras internacionais da AIESEC. Fora isso, os congressos internacionais são momentos marcantes nas vidas daqueles que tiveram a chance de participar de um e é um momento de grande evolução do conhecimento organizacional. Nesse momento que considero bastante seguir um pouco mais adiante no meu caminho dentro da AIESEC, acredito que vai ser fundamental para me certificar e me animar a tomar essa decisão.

Torçam por mim! Espero que a saga rumo ao Congresso Internacional 2008 não termine apenas na lista de espera como acontece com muitos vestibulandos pelo Brasil. E se eu passar dessa peneira vocês terão muito mais histórias para ver por aqui :)






terça-feira, 3 de junho de 2008

Where is Africa?

Mais de 1300 visitas no blog e sempre me surpreendo com visitas de lugares não esperados, Europa, Ásia, Oceania, América do Sul, Central e do Norte. Mas nenhuma visita da África. Até no blog do EB (http://www.eb08rp.blogspot.com/) com menos de 100 visitas já tinha uma visita da África.

Segundo a Wikipedia (http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81frica), "a África é o segundo continenente mais populoso (atrás da Ásia) e o terceiro mais extenso (atrás da Ásia e das Ámericas).

Tem cerca de 30 milhões de km², cobrindo 20,3% da área total da terra firme do planeta e mais de 800 milhões de habitantes em 54 países, representando cerca de um sétimo da população do mundo.

Cinco dos países da África foram colônias portuguesas e usam o português como língua oficial: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe; em Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe são ainda falados crioulos de língua portuguesa."

E nenhuma visita ainda no Blog. Onde estarão os irmãos africanos?

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Mente vs Corpo

"Somos livres para escolher, mas prisioneiros das conseqüências" - Aldo Novak


Recentemente comecei a ler A doutrina de Buda - Siddharta Gautama e percebi várias coisas similares às outras religiões mais conhecidas, especialmente as correntes do cristianismo. Talvez uma das maiores diferenças seja a relação de causa e efeito e a importância que se dá à manutenção da saúde da mente e do corpo, como um conjunto único, pois sem esse conjunto não se atingiria o objetivo máximo do Budismo que é a Iluminação.


O livro é muito interessante, especialmente nos exemplos que se dá sobre a não existência da dualidade que nós adeptos das religiões ocidentais costumamos ver nas coisas (bem e mal, certo e errado, mente e corpo, vida e morte etc). Aconselho a leitura, apenas como exercício de reflexão.


Falando sobre a visão dual que damos ao mundo, tentei relacionar com as escolhas que tomamos na nossa vida. Em geral, as pessoas optam apenas por se preocupar com um ou outro aspecto dessa visão. Como exemplo claro, acho que fica a importância que damos para o cérebro e o corpo. Tentei colocar os exemplos numa escala de graduação da mente extrema para o corpo extremo. Você concorda com essa divisão mente x corpo? E com os exemplos?








quarta-feira, 21 de maio de 2008

(De)Codificando a si mesmo

"O melhor esconderijo, a maior escuridão, já não servem de abrigo, já não dão proteção, holofotes que iluminam a libido e o vírus, o poder, o pudor, os lábios e o batom..."

Longo tempo sem escrever no blog. Inspiração e tempo são coisas que não têm aparecido ao mesmo tempo para a minha tristeza, deixando esse blog desatualizado. Lógico que tenho várias e várias coisas atrasadas para escrever, mas acho que vou começar por hoje e deixar o passado para trás, ou no meio, quem sabe. Inclusive, agora também tenho escrito em outros lugares: http://www.eb08rp.blogspot.com/ que é o blog da diretoria da AIESEC em Ribeirão Preto com a qual trabalho esse ano. Além disso, no site http://www.capitulo.barretos.com.br/ você pode encontrar um artigo mensal (em geral sai lá para o dia 20) de assuntos mais relacionados com a Ordem DeMolay. Não, não me esqueci da Ordem e acabo aplicando experiências e conceitos aprendidos na AIESEC lá nos artigos de lá.


"... Há um muro de concreto entre nossos lábios, há um muro de Berlim dentro de mim, tudo se divide, todos se separam, a diferença é o que temos em comum..."

Toda conferência da AIESEC sobe aquela motivação, de fazer as coisas, aplicar conhecimentos novos, realizar os sonhos antigos. Eventualmente essa motivação não é acompanhada de ações, e toda a energia vai pelo espaço... Quando isso acontece, sempre aparecem desculpas, "porquês", "veja bem" e outras formas para se iniciar uma justificativa. Uma após a outra, as vezes apenas uma com ou sem base, não deixa de ser apenas uma desculpa para algo que não aconteceu. Eventualmente é melhor ficar calado e aceitar o peso da não ação, desde que você se planeje como recuperar o atraso. Rir também faz bem, mesmo que seja de você mesmo, mas normalmente não resolve muita coisa. O segredo do sucesso (ao contrário do que diz agora best seller "O Segredo") não é pensar, mas agir.

"... Que a chuva caia, como uma luva, um dilúvio, um delírio. Que a chuva traga alívio imediato. Que a noite caia, de repente caia, tão demente quanto um raio. Que a noite traga alívio imediato..."


Muita coisa acontecendo, pouco tempo para escrever. Uma desculpa já batida em vários e vários blogs. Inocência de quem acha que vai ter o que escrever todos e todos dias. Teste de paciência para quem acompanha o blog, mais ainda para quem fosse ler um post banal a cada dia. O post confuso só é para deixar registrado e também compartilhar algumas fotos...


"Não há nada de concreto, entre nossos lábios. Só um muro de batom e frases sem fim. Holofotes nos meus olhos cegam mais do que iluminam. Nem caiu a ficha e já caiu a ligação..."
(Música: Alívio Imediato / Engenheiros do Hawaii)


(Perdido indo para o Discovery Days da Extensão Franca)

(Curtindo um acaí fantástico com o Gabriel depois da aula de inglês)

(No casamento do Lucas, meu ex-companheiro de Natação... bons tempos...)


(Finanças trabalhando para auditoria da CONADE até as 5:00 am)

(Muitas trufas para relaxar e curtir)

(Pessoal na plenária de abertura da CONADE)


(CL de Ribeirão Preto jantando na CONADE)

(Marco Túlio, alumnus de RP, MCVPCR @BAZI 07/08 e ER Manager da IGN 08/09 e eu perdido)


(Lilian, NSL Sustentabilidade e eu, mais perdido)


(Para quem não me conhece, muito prazer)

Em breve mais fotos da CONADE, essas são só as que tirei do meu celular

terça-feira, 15 de abril de 2008

Tem dias...

Tem dias que não vemos a última das doze badaladas chegar... para terminar com a tortura das últimas 24 horas.

Hoje foi um deles.

Vinte minutos de espera pelo primeiro ônibus... acontece. O segundo ônibus que atrasa 40 minutos... que vai lotado (com pessoas suficientes para 2 onibus tranquilamente). Atraso de 1 hora para o trabalho... 1 h 40 num treco de 40 minutos de onibus. Acontece. Sorte que tinha almoçado antes de sair de casa.

Trabalho... que por si só já dá trabalho.
Emails acumulados... e continuam a se acumular.
Mais trabalho... C'est la vie.

Então, quando a fome bate e vejo que não tem mais jeito de terminar todo o trabalho hoje, resolvo ir embora e pegar o onibus para a faculdade, para chegar mais cedo e ir no bandejão.

Mais 20 minutos de espera e de repente vejo o ônibus vindo. Chamo-o... e vejo o ônibus indo. Como uma flecha disparada, que não pode ser parada.

Mal humor.

30 minutos de caminhada até o habib's para matar a fome. 5 minutos sentado comendo, com prazer, depois de refletir sobre o sistema de transporte público brasileiro, caos do transporte e coisas mais diretas como alguns mal pensamentos sobre a mãe do motorista.

10 minutos andando até a catedral. Pego um ônibus que também vai para faculdade. Mas desço antes. Resolvi ficar em casa...

Tem dias que é melhor encerrar o expediente mais cedo. Não precisamos descarregar os sentimentos ruins em quem não tem nada a ver com eles.

Pelo menos, como todo essa história, tive tempo para meu blog.

quinta-feira, 27 de março de 2008

Uma recomendação...

"O tempo que você gosta de perder não é tempo perdido" (Bertrand Russell)

Hoje recebi um email que foi classificado como spam. Como costumo ao menos ver que email são classificados como Spam, antes de deletá-los, notei um email diferente, que não falava nada de venda de viagras abaixo do preço, intimação do ministério público, erros da receita federal ou programas para aumentar seu pênis. Era o email de um tal de Marcelo, em português, que foi mandado aos LCPs da AIESEC para divulgar seu blog.

Pensei comigo mesmo, dessa vez o spam acertou ao classificar o email como spam... já que ele estava fazendo um email marketing que é um nome mais bonito para propaganda via spam. Mas ainda assim resolvi gastar uns 5 segundos abrindo o email. E acho que foi a melhor coisa que vou fazer hoje. Li que ele criou um blog para relatar aspectos da vida de estágiario, mas com uma pespectiva de ajuda aos leitores, mas sem pegar aquele mesmo papo furado de sempre, impessoal e repetitivo. Ele resolveu contar o passo-a-passo, mas com sua experiência, o que deu muito crédito para todo o texto. Ao invés de gastar os 5 segundos, esse email me fez gastar uns 30 minutos lendo todo o blog, mas foi um bom investimento, tanto que adicionei-o à lista de recomendados desse blog.

Para quem se interessou: http://vidaestagiario.blogspot.com/ . Bom acesso e boa leitura.

segunda-feira, 17 de março de 2008

Para quem não perguntou

Para aqueles que tem curiosidade de perguntar mas não o fizeram, ou fizeram num momento que eu não estava inspirado para responder, tomei a liberdade de fazer a pergunta pra mim mesmo: "Raphael, o que você tem feito da tua vida?"

Além da já tradicional faculdade, o agora quase tradicional trabalho (já faz mais de 1 ano!) e as aleatoriedades da vida, tenho me dedicado bastante a AIESEC, também não poderia ser diferente sendo o atual presidente aqui em Ribeirão Preto.

Ser presidente da AIESEC implica em várias responsabilidades. Primeiro e mais importante de todas, no final a responsabilidade sempre é do presidente, ou seja, por ação ou omissão, o presidente é responsável, como em qualquer organização.

Além disso, implica não só em ser o líder de uma organização, mas também em várias outras coisas como liderar um time que vai liderar outros, ou seja, a diretoria da AIESEC. Hoje somos 7 membros na diretoria, contando com o presidente, ser o responsável externo da organização, coordenar o planejamento das atividades e controlar a realização delas, entre outras atividades.

Então, nas últimas semanas, preparei o conteúdo necessário para realizarmos nosso replanejamento em um final de semana numa chacará com os membros da AIESEC, auxiliei no processo seletivo, tendo feito várias palestras de divulgação, participei da eleição do novo presidente nacional da AIESEC no Brasil e agora me preparo para, após concluir o replanejamento, iniciar o processo de tracking e coaching (acompanhamento e "aconselhamento") dos meus diretores para garantir que as áreas deles entregarão tudo o que foi planejado.

De fato é uma experiência interessante liderar uma organização como a AIESEC no nível local. Liderar um grupo de pessoas em uma organização tradicional já tem seus desafios, de motivação, direção, planejamento e coordenação, mas fazer isso em uma organização onde não existe funcionários, mas voluntários, que devem se dedicar a organização para garantir a manutenção e o desenvolvimento dela, é ainda mais desafiador.

Felizmente, as recompensas também são várias, a satisfação de estar fazendo algo de que se gosta e em que você acredita, de trabalhar com pessoas que são auto-motivadas e motivadoras é algo que todos deveriam ter. Aqueles que conseguem ver que o maior retorno não é o salário que você ganha (ou deixa de ganhar num voluntariado) com certeza terão sucesso no futuro, pois sabem que o diferencial das pessoas é a capacidade delas de apreender, se adaptar e realizar.

Bem, essa foi a primeira parte do relato. Aguardemos as próximas

sexta-feira, 7 de março de 2008

Preciso de um astrológo...

"Yo no creo en bruxas, pero que las hay, las hay!" (Desconhecido)

Uma notícia de destaque hoje no UOL:

- Churchill contratou astrológo para minar confiança de Hitler (http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/lavanguardia/2008/03/07/ult2684u415.jhtm)

O mais legal dessa matéria foi ver que Hitler dizia que guiar-se pelos astros era "uma estupidez própria de mentes infantis", mas tinha seu próprio astrólogo. Churchill também contratou um astrológo. Ronald Reagan tinha seu astrólogo. O que difere um líder do século XX e um líder do império babilônico, persa ou outro qualquer? Somente as formas mais cruéis e eficientes de se matar e agredir outras nações? Ou será que as estrelas são o único porto seguro da vida humana, relegando a responsabilidade do sucesso e da falha para uma possível intereferência dos astros?

Na dúvida, comecei a procurar um astrólogo para mim...



domingo, 24 de fevereiro de 2008

Acredite...

Se quiser acreditar em algo, acredite.
Não há razão para não acreditar em algo que não seja verdade. As vezes, as coisas que podem ou não ser verdade são aquelas em que um homem precisa acreditar.
Que as pessoas são basicamente boas.
Que a honra, a coragem e a virtude são a base de tudo.
Que dinheiro e poder, poder e dinheiro nada significam.
Que o bem sempre triunfa sobre o mal
E quero que você se lembre que o amor, que o verdadeiro amor nunca morre. Não se esqueça.
Lembre-se disso. Não importa se é verdade. Um homem deve acreditar nessas coisas porque são coisas que valem a pena acreditar.
Entendeu?

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Going to Escarpas

"O homem ocioso é como água estagnada: corrompe-se." - Latena

Esses dias tem sido bem corridos. O feriado do Carnaval ajudou, consegui adiantar bastante coisa que faria só nas semanas seguintes, assisti vários filmes, mas mesmo assim, ainda tem muita coisa por fazer. Ser presidente não é fácil... mas é bem legal.

Esse final de semana vou para Escarpas, no sul de Minas. Vamos fazer o 1º Team Building (mais informações quando voltarmos em http://eb08rp.blogspot.com/). Vai ser bem legal, pena que não estarão todos os membros do EB presentes... o Rodolfo teve que ficar em Londrina para o aniversário de 50 anos do pai dele.

Fevereiro promete. Processo Seletivo, Replanejamento, Visita de Coach, Team Building... e começo das aulas... vixi! Já está tão pesado com tempo sobrando a noite, já estou vendo quando as aulas voltarem.

E vamo que vamo!!!

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Uma dúvida aleatória

Pedro, não, não estou morto, nem me esqueci do blog hehehe.

Esse primeiro mês de presidente foi um pouco mais complicado do que pensei. Tomado bastante tempo, lendo e-mails, documentos, resolvendo pepinos (que brotam em razão geométrica). Interessantíssimo, depois de ser LCP estou pensando em montar uma fazenda... isso se me der bem cuidando deles.

De resto tudo caminha bem, mofando no dia sim, dia também de chuva em Ribeirão Preto. Estava apenas olhando meu blog nesses dias, contemplando-o e pensando se não sairia nenhum novo post antes de terminar janeiro... Aí, olhei o contador que mostra (ou deveria mostrar) de onde as pessoas tem acessado meu blog. Claro que tem uns cliques que eu já conheço, Pedro, Simoni, Lívia, Giovana, Bárbara, mas tem uns cliques tão aleatórios (tanto no Brasil, quanto fora dele) e uns que se repetem, como o de Portugal, do Centro-Oeste do Brasil etc. Será que existe vida além dos meus amigos que acompanha (ou apenas lê com alguma frequência) esse blog?

Se sim, esta é a hora de se manifestar :) hehehe. Gostaria muito de conhece-los, já que vocês já sabem um pouco mais de mim. Se possível, falem de onde são também. Ou pelo menos postem um comentário.

PS: Para não cometer o mesmo erro do post anterior, já adianto que provavelmente esqueci de alguns nomes importantes que também acompanham o blog, por isso, se me esqueci de você, mais um motivo para me fazer lembrar comentando esse post :).

terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Olhando para trás...

Com certeza 2007 foi um ano que superou as minhas expectativas mais otimistas.

Um ano que valeu por dez, pela experiência vivida. Superar a perda de um membro tão querido na família, um novo trabalho, um novo membro morando na república, organizar um congresso para 800 pessoas em Barretos com os DeMolays e ainda toda a experiência que veio da participação na AIESEC. Primeiro como membro de vendas, sendo liderado pelo Túlio, depois como coordenador de vendas nos projetos, sendo liderado pela Marina e depois, como vice presidente de Vendas, substituindo o Túlio, trabalhando junto com a Marina, Foka, Ashley e Brilhante e sendo liderado, dessa vez, diretamente pelo Porto.

Um ano de viagens: Londrina, Rio de Janeiro, São Paulo (algumas vezes), Itapecerica da Serra (duas vezes), Atibaia, São José do Rio Preto, Bebedouro, Colina, Guaíra, Franca, Santos, sem contar as mais do que conhecidas Ribeirão Preto e Barretos.

Um ano que valeu por dez, pelas pessoas ímpares que conheci melhor, em Barretos, aqueles que tive a oportunidade de trabalhar em conjunto no Congresso, em especial o Jeromim, presidente do Clube os Independentes, uma pessoa competente, de caráter fantástico e coração de ouro, uma das pessoas que me inspirou muito nesse último ano. Em Ribeirão Preto, tive a chance de conhecer melhor o EB (Marina, Foka, Ashley, Brilhante, Porto e eu) que me ensinou muito em como trabalhar em grupo e que também me servirá de fonte de inspiração futura. Também tive a chance de conhecer melhor as pessoas que liderei diretamente, Pedreiro, Rodolfo, Curumim, Ricardo, Francine, Paulinha, Lucas e Sara, além daqueles que entraram no final do ano. Ainda tive a chance de conhecer muitas pessoas, de várias cidades, tendo como principal ponto em comum a AIESEC, algumas que gostaria de destacar: Danilo (Ribeirão Preto), Gleyce (São Carlos), Letícia (Franca), Lilian (Santa Maria), entre outras pessoas fenomenais. Isso sem contar aqueles que vieram de tão longe e trouxeram um pouco de suas origens para enriquecer internacionalmente minhas experiências: Enzo (Itália), Amithava (Índia), Diana (EUA), Justyna (Polônia), Felix (Alemanha), Claudio (Chile), Kaisa (Finlândia), Tomoko (Japão) e, apesar de não estarem ligados diretamente a AIESEC, conviveram conosco Anne (Alemanha) e Eetu (Finlândia), meu parceiro de conversas na Sweden, bilhar no CV e que até conheceu a Festa do Peão.

Um ano de conquistas e superação. Um congresso de 800 pessoas com orçamente de mais de R$40 mil. Um artigo aprovado em um importante congresso de administração. Um projeto para iniciar as vendas. Uma área que precisava de um time para entregar resultados com a ausência daquele que havia entregue todos os resultados desde seu surgimento. O reconhecimento nacional, já no mês de agosto. A satisfação pessoal dos feedbacks recebidos dos membros e dos companheiros de EB. A insatisfação de saber que poderia ter feito mais e que temos muito o que melhorar. A eleição para liderar a organização que ajudei a criar em 2006, que trabalhei em 2007 e que serei o responsável, em 2008, por liderar um time de líderes que escolhi trabalhar em conjunto, pessoas com as quais quero viver muitas experiências para relatar (durante e) no final do ano de 2008.

Um ano de grande instabilildade, altos e baixos emocionais, períodos de sorte e azar, com mais e com menos dinheiro, com paixão e sem ela. Um ano que vivi várias emoções inesperadas.

Um ano em que as experiências vividas em várias cidades com pessoas extraordinárias levaram a grandes conquistas e muitas emoções.

2007 deixará saudades. Que 2008 seja um ano tão ou mais especial quanto foi 2007!

Uma linda estrela...

A primeira perda de uma pessoa próxima de mim, até então nunca tinha visto a morte de tão perto. Uma avó que foi como uma segunda mãe. Uma avó que foi também pai de seus 8 filhos. Uma pessoa que nunca reclamou da vida, mesmo tendo vivido tantas dificuldades. Positiva por natureza e com aquela sabedoria que só as muitas primaveras vividas trazem para nossa vida. Sabedoria que se refletia na preparação, preparada para tudo o que viesse, desde o falecimento do seu esposo enquanto ainda era jovem, até o seu próprio enterro. Uma pessoa de vida simples, alegre e correta, que aos 85 anos faleceu da maneira que sempre quis, sem dar trabalho para ninguém, viva ou morta. Com túmulo comprado, casa arrumada, cabelo e unhas feitas, como que prevendo seu último ato na Terra.
Dia 4 de Dezembro de 2007, 2h15 da manhã. O dia em que perdi uma avó e ganhei uma linda estrela cuja luz continuará brilhando lá no céu, a iluminar não só a sua família e amigos, mas todos aqueles que buscam inspiração nas noites estreladas.